Pesquisar

Ministérios

Login

Usuário:

Senha:


Esqueceu a senha?

Internauta, siga-nos!

Faça um postSiga-nos no TwitterSiga-nos no Twitter

Usuarios on-line

3 visitantes online (1 na seção: Artigos)

Usuários: 0
Visitantes: 3

mais...
Onde inicia a Igreja?
  Enviado em 30 Aug 2013 por Erico (981 leituras)


Limitar-se a igreja no processo de devoção cristã é algo realizado pela maioria daqueles que se intitulam “crentes”, isso não é grave? Será que estamos vivendo um esfriamento nas igrejas? . Deus é um ser organizado como já falei em outras oportunidades, por isso a devoção do crente não é uma pratica restrita a igreja, mas é um plano amplo de Deus para homem.

Sabemos que a palavra de Deus nos mostra que a devoção precisa ser praticada inicialmente em casa, a razão disso é que o lar é a sede da família, o centro das decisões, e Deus que ser Senhor dos nossos lares não somente em nossos templos, mas esses são prolongamentos da família.

Certa vez uma criança dentro de uma igreja olhou para a sua mãe e disse: - Mãe a gente pode morar na igreja? A sua Mãe olhou estranhamente para aquela criança e respondeu: - Acredito que não meu filho, mas por quê? Então o menino respondeu: - Mãe é por que o Pai é tão legal aqui na Igreja! Conclusão da historia, muitas vezes temos cristãos com vida dupla dentro de nossas igrejas, verdadeiros personagens televisivos e teatrais.

Amados é algo estratégico de Deus que a Igreja inicie no lar, pois entendemos que no contexto geral lendo a sua palavra, observamos que o nosso Deus sempre anelou por comunhão, por isso que Ele criou o homem à sua imagem e semelhança, dotado de inteligência, vontade própria e poder de comunicação e para que o ser humano tivesse interação com o criador.

Vamos abrir a palavra viva do altíssimo e estudar um pouco? Analisando o contexto histórico dos lares na bíblia, visualizamos vários momentos de ensinamento e um deles é a importância do ensino como a oferta, em Gênesis 4:3-4, está escrito: E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta, o ensino do holocausto de Noé ao sair da arca, Noé teve o cuidado oferecer sacrifício ao Senhor e outro ensino é os altares de Abraão, que costumava edificar altares e invocar o nome do Senhor; leiamos Gênesis 12:7-8 E apareceu-o SENHOR-a Abrão, e disse: A tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao SENHOR, que lhe aparecera. E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao SENHOR, e invocou o nome do SENHOR. E outro momento de ensino onde E Abrão mudou as suas tendas, e foi, e habitou nos carvalhais de Manre, que estão junto a Hebrom; e edificou ali um altar ao SENHOR. , conforme Gênesis 13:18. Lendo esse exemplos observamos que o culto era domestico e a relação com Deus muito pessoal, sem qualquer cerimonialismo, a não ser o estritamente necessário.

Deus é um ser organizado, isso eu digo sempre e por isso é um plano fundamental do Eterno, logo desde a mais remota antiguidade, o lar, ou seja, a família foi instituída por Deus como o centro educacional por excelência, afinal sabemos que varias famílias formam a sociedade; com seus valores, crenças e culturas. Esse modelo de ensino e parâmetro era observado no povo israelita, ou melhor, o povo de Israel recebia toda a educação, tanto religiosa como social no lar. O chefe de família, isto é, o patriarca era, ao mesmo tempo, pai, professor, médico, educador, profeta e sacerdote. Ele ocupava todos esses papéis ao mesmo tempo.

Podemos nos perguntar quais as ações e objetivo do ensino, e para responder cito rapidamente as fases desse processo; iniciou no próprio tempo de escravidão em terra estrangeira onde houve o milagre da libertação depois de quatro séculos de escravidão, a caminhada pelo deserto, os livramentos dados por Deus, o cuidado do Eterno para não faltar alimento, nem água, nem roupas, durante quarenta anos de caminhada pelo deserto, a entrega da lei dada pelo próprio Deus para servir de estatuto ao Seu Povo, enfim, todo o conhecimento dessa herança histórica fosse transmitido de pais para filhos, para alcançar o objetivo que era no tempo certo, que todos os povos reconhecessem o propósito de Deus para a humanidade, enviando o Messias prometido descendente do povo judeu, características da ação e objetivo do ensino de Deus ao Homem.

No processo de ensino a Ética não ficou de fora do plano de Deus, esse cuidado ficou presente no modo de vida dos judeus. Ele ensinou ao seu Povo a maneira de se conduzir, dando-lhes leis e estatutos que ensinavam o respeito, a convivência social, a maneira de adquirir bens e como tratar o próximo; como e quando deveriam ser oferecidas as ofertas, os sacrifícios, direitos e deveres para que pudessem viver felizes e alegres.

Quando abordamos o parâmetro histórico religioso, observamos um ensino para uma adoração monoteísta, pois todos os hebreus aprenderam a adorar um único Deus: Jeová, diferente das demais nações que eram politeístas, isto é, adoravam outros deuses. O propósito de Deus era fazer Israel um povo Seu, diferentemente das demais nações, que guardasse Seus preceitos e proclamasse o Deus Todo-Poderoso através dos tempos, para que o plano de Deus para o homem se cumprisse através dessa nação.

Porque é importante que o lar, ou melhor, a família seja prolongamento da Igreja, ou seja, inicie a Igreja no lar? É simples, pois há uma contribuição para a Vida e isso é registrado por vários exemplos de homens valorosos que aprenderam a amar a Deus através dos ensinos de seus pais e que, ao se tornarem adultos, influenciaram a vida de sua nação. E quando estudamos a palavra de Deus, comprovamos vários exemplos, o primeiro que cito é Abraão, ele aprendeu a obedecer ao Senhor e fazer a Sua vontade, depois de adulto, Deus o chamou do meio de sua parentela para habitar em um lugar distante e mesmo vivendo no meio da idolatria, Deus conhecia a sinceridade do seu coração e por isso, o chamou e o designou para ser o pai da nação de Israel. Ele aprendeu a amar, a adorar e obedecer ao único Deus Jeová. E somente a Ele oferecer sacrifícios.

Continuando os exemplos baseado na palavra de Deus, encontramos outro personagem, que aprendeu a amar a Deus através dos ensinos dos seus pais e ao se tornar adulto influenciou a Vida de sua nação, esse personagem é José do Egito, uma vida ilibada no Senhor, na qual como Cristão conhecemos o seu exemplo de fé e de conduta integra era prova de que ele havia sido instruído em um padrão de comportamento condizente com os preceitos do Senhor, conseguindo mudar a atitude dos seus irmãos ao usar de misericórdia para com eles e conceder-lhes perdão, conforme Gênesis 50:17-18, que está escrito Assim direis a José: Perdoa, rogo-te, a transgressão de teus irmãos, e o seu pecado, porque te fizeram mal; agora, pois, rogamos-te que perdoes a transgressão dos servos do Deus de teu pai. E José chorou quando eles lhe falavam. Depois vieram também seus irmãos, e prostraram-se diante dele, e disseram: Eis-nos aqui por teus servos, que lindo não é? Esse é clímax do texto, onde a integridade de José, o zelo por sua família tem sido exemplo de vida para os crentes de todas as épocas.

A vida de Moisés, o grande legislador, que aos olhos humanos por ser gago, não o seria um grande legislador, mas é um exemplo do cumprimento do que está escrito em Provérbios 22:6 que diz: Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. Quem conhece a história sabe que nos primeiros anos de sua vida ele foi educado por seus pais hebreus e aprendeu a amar, adorar e obedecer ao único Deus, Jeová. E naquele lar humilde, vivendo como escravo, ele foi instituído a temer ao Senhor, recebendo assim a educação do seu povo hebreu, conforme parte de sua história que é narrada em Êxodo 2:6-9 que diz: E abrindo-a, viu ao menino e eis que o menino chorava; e moveu-se de compaixão dele, e disse: Dos meninos dos hebreus é este. Então disse sua irmã à filha de Faraó: Irei chamar uma ama das hebréias, que crie este menino para ti? E a filha de Faraó disse-lhe: Vai. Foi, pois, a moça, e chamou a mãe do menino. E mais tarde ele foi residir no palácio real, como filho da filha de Faraó, foi instruído em toda a ciência dos egípcios, conforme está escrito em êxodo 2.10: Quando, pois, o menino era já grande, ela o trouxe à filha de Faraó, a qual o adotou; e lhe chamou Moisés, dizendo: Porque das águas o tirei. O que foi ensinado a Moises na primeira fase da vida, foi tão bem ensinado que ele nunca se esqueceu.

Continuando a abordar os vários exemplos da importância do aprendizado dos assuntos do Eterno, para que comecemos a ser igreja na Família, analisamos também a história de Daniel que foi um exemplo de caráter e de convicção de fé no Deus de seus pais. Ainda adolescente ele foi levado cativo para uma terra distante, a Babilônia. Ele conquistou a simpatia das pessoas com quem lidava, sem, no entanto, negar seus princípios religiosos. Também temos o exemplo de Jó o patriarca que era um homem integro e reto, temente a Deus e que se desviava do mal. Entre seus muitos cuidados, ele zelava pela vida espiritual de sua familia.

Amado internauta, falamos que o lar inicia primeiramente na igreja, falamos também na contribuição do lar para criação dessa mentalidade cristã falida em nossos dias e agora para fechar esses pontos polêmicos, é necessário saibamos que não se pode servir a dois senhores.

O próprio Jesus Cristo, o nosso único salvador e mediador entre Deus e o Homem, ensinou que ninguém pode servir a dois Senhores, por que certamente um deles ficará mal servido e cobrará pela falta cometida, segundo Mateus 6.24 que está escrito: Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.

Para exemplificar vamos recorrer a bíblia? Leiamos Gênesis 31.19 e versículos 26-35. Ora, tendo Labão ido tosquiar as suas ovelhas, Raquel furtou os ídolos que pertenciam a seu pai. Então disse Labão a Jacó: Que fizeste, que me iludiste e levaste minhas filhas como cativas da espada?Por que fizeste ocultamente, e me iludiste e não mo fizeste saber, para que eu te enviasse com alegria e com cânticos, ao som de tambores e de harpas;Por que não me permitiste beijar meus filhos e minhas filhas? Ora, assim procedeste nesciamente.Está no poder da minha mão fazer-vos o mal, mas o Deus de vosso pai falou-me ontem à noite, dizendo: Guarda-te, que não fales a Jacó nem bem nem mal.Mas ainda que quiseste ir embora, porquanto tinhas saudades da casa de teu pai, por que furtaste os meus deuses?Respondeu-lhe Jacó: Porque tive medo; pois dizia comigo que tu me arrebatarias as tuas filhas.Com quem achares os teus deuses, porém, esse não viverá; diante de nossos irmãos descobre o que é teu do que está comigo, e leva-o contigo. Pois Jacó não sabia que Raquel os tinha furtado.Entrou, pois, Labão na tenda de Jacó, na tenda de Léia e na tenda das duas servas, e não os achou; e, saindo da tenda de Léia, entrou na tenda de Raquel.Ora, Raquel havia tomado os ídolos e os havia metido na albarda do camelo, e se assentara em cima deles. Labão apalpou toda a tenda, mas não os achou.E ela disse a seu pai: Não se acenda a ira nos olhos de meu senhor, por eu não me poder levantar na tua presença, pois estou com o incômodo das mulheres. Assim ele procurou, mas não achou os ídolos.

Quando Jacó apartou-se de seu sogro Labão, Raquel furtou os ídolos do lar que pertencia a seu pai Labão, o que é chamativo nesse fato era a aflição de Labão por causa dos seus ídolos do lar.

A idolatria do povo de Deus é registrada na bíblia, bem como o resultado disso, onde por várias vezes, o povo de Israel suscitou a ira de Deus, deixando Seus mandamentos e envolvendo-se com a idolatria. O resultado era que Deus trazia juízo sobre eles, conforme Deuteronômio 9. 14,15: Deixa-me que o destrua, e apague o seu nome de debaixo do céu; e farei de ti nação mais poderosa e mais numerosa do que esta. Então me virei, e desci do monte, o qual ardia em fogo; e as duas tábuas do pacto estavam nas minhas duas mãos.

Quando falamos do valor da educação religiosa no lar acabamos por comprovar que isso é um decreto de céus sobre as nossas cabeças, homens e mulheres que somos esse é valor importante e visto tanto no antigo testamento quanto no novo testamento, temos exemplos de como a educação que principia no lar é valorizada e também muito solida. Jesus, quando criança, aprendeu no Seu lar a adorar ao verdadeiro Deus. Isso se compreende lendo Lucas 2.40-42 e 47,52. E o menino ia crescendo e fortalecendo-se, ficando cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele. Ora, seus pais iam todos os anos a Jerusalém, à festa da páscoa. Quando Jesus completou doze anos, subiram eles segundo o costume da festa; E todos os que o ouviam se admiravam da sua inteligência e das suas respostas. Quando o viram, ficaram maravilhados, e disse-lhe sua mãe: Filho, por que procedeste assim para conosco? Eis que teu pai e eu ansiosos te procurávamos. Respondeu-lhes ele: Por que me procuráveis? Não sabíeis que eu devia estar na casa de meu Pai?Eles, porém, não entenderam as palavras que lhes dissera. Então, descendo com eles, foi para Nazaré, e era-lhes sujeito. E sua mãe guardava todas estas coisas em seu coração. E crescia Jesus em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens.

É valido lembrar que segundo o ensino de Jesus, a verdadeira adoração é feita espiritualmente; sendo que o centro da adoração é o coração do homem, o qual se relaciona com Deus, que pode ser adorado em qualquer lugar onde houver corações contritos, segundo o que está textualizado e contextualizado em João 4. 23,24: Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

Portanto, Deus exige que os pais perseverem em ensinar seus filhos. Ele não pede; Ele ordena. A ordem é para intimar, isto é, ordenar, impor, falar com autoridade, e lemos está ordem em Deuteronômio 6.7; E as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. Observamos as diversas tragédias familiares e sociais em lares cristãos, onde isso é resultado de pais negligenciam a responsabilidade na criação dos seus filhos, pois atualmente usam o tempo com várias ocupações e, por vezes, esquecem-se de que Deus organizou o lar dando aos pais a responsabilidade de educação dos filhos. A falta dessa observância tem trazido muitos males à sociedade. O número de jovens desviados dos caminhos do Senhor é enorme. O lar foi a primeira instituição educacional para o individuo fundada por Deus e mesmo que não se trate de um lar cristão os pais têm a responsabilidade de educar seus filhos ensinando-lhes o repeito, o decoro, o zelo pela moral e pelo bem relacionamento com o próximo. E se for cristão essa responsabilidade aumenta, pois é necessário instruir os filhos com princípios bíblicos para uma vida frutífera, de crescimento espiritual e comunhão com Deus.

Que essa palavra viva dos céus do Eterno, sejam tão somente canal para que tenhamos de Deus a orientação para ensinar os nossos filhos e futuros filhos a necessidade de uma vida edificada nas instruções que tornarão bendita a nossa descendência para honra e gloria do Rei dos reis, amém !

Fonte: Palavra Viva 45 graus



Índice :: Imprimir :: Enviar a um Amigo
 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.