Pesquisar

Ministérios

Login

Usuário:

Senha:


Esqueceu a senha?

Internauta, siga-nos!

Faça um postSiga-nos no TwitterSiga-nos no Twitter

Usuarios on-line

5 visitantes online (1 na seção: Artigos)

Usuários: 0
Visitantes: 5

mais...
[b]A MULHER QUE EDIFICA A CASA[/b]
  Enviado em 01 Dec 2011 por adelman (967 leituras)
A MULHER QUE EDIFICA A CASA
Por: Valdirene Bearari


DOIS TIPOS DE MULHERES

Existem dois tipos de mulheres: a que destrói e a que edifica a sua casa.
“A mulher sábia edifica sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos a derruba”. Provérbios 14:1.

Vejamos o exemplo e uma mulher que não soube edificar a sua casa: Eva.
Sua família vivia num lugar aprazível, o jardim do Édem, trabalhavam com grande satisfação e alegria para o seu Senhor, não se cansavam, não ficavam enfermos, e tinham domínio sobre tudo. O mais importante, tinham comunhão com Deus.

Mas, no capítulo 3 de gênesis vemos que esse relacionamento com Deus foi rompido.
Ao criar o homem Deus lhes deu uma ordem: “tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Édem para cultivá-lo e guardar. E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: de toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás” Gênesis 2:15-17.

Todo o bem estar daquela família consistia em obedecer a ordem divina. A observância dos preceitos de Deus garante o nosso relacionamento com ele.

Porém, Eva não soube manter sua casa edificada: “Mas a serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos que o Senhor Deus tinha feito, disse a mulher: é assim que Deus disse: não comereis de toda árvore do jardim”? Respondeu-lhe a mulher: do fruto das arvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais.

Então, a serpente disse á mulher: é certo que não morreis.
Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal.

Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu”, Gênesis 3:1-6.

Lendo atentamente essa passagem percebemos que Eva desconsiderou totalmente o mandamento de Deus e as consequências de seus atos, pois estava totalmente envolvida pela conversa daquele ser, que de forma sedutora fez nascer em seu coração o sentimento da cobiça.

Na carta da Tiago 1:13-15, encontramos uma explicação para o que aconteceu com aquela mulher: “ninguém, ao ser tentado, diga: sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e Ele mesmo a ninguém tenta.

“Ao contrário, cada um é tentado pela própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá a luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte”.
1º passo: para a queda do lar de Eva: cobiçou ser semelhante ao Altíssimo. Vendo a mulher que a árvore era boa par se comer, Eva deixou que o desejo de tornar-se igual a Deus subisse ao seu coração; a insatisfação com a sua posição no reino de Deus fizeram com que toda a sua casa se perdesse.

2º passo: se deixou atrair pelo seu próprio desejo. Quando avaliou que aquela árvore, a que Deus disse pra sequer tocar, era agradável aos olhos desprezou a palavra de Deus para fazer aquilo que sua vontade mandava.

3º passo: foi seduzida pela sua própria cobiça: segundo o dicionário, um dos significados para a palavra sedução é “subornar para fins sediciosos”, e a palavra sediciosos vem de sedição, que quer dizer: rebelião. Eva se rebelou contra Deus quando tomou do fruto que lhe era proibido.

4º passo: consumou seu pecado: porque o desejo de fazer aquilo que queria foi maior de obedecer ao seu criador.

5º passo: deu também ao seu marido: aquilo que ela julgava ser bom pra ela também o fez aos da sua casa. E não somente ela, mas toda sua família sofreu as consequências de seus atos.
Mas encontramos na bíblia uma mulher que soube edificar sua casa: Ana.

Sua história está nos capítulos 1 e primeira parte do capítulo 2 de 1 Samuel.
Ana casada com Eucana e tinha uma grande tristeza em seu coração, pois não conseguia gerar filhos.

Isso para uma mulher naquela época era considerado uma desonra e até maldição.
Porém Ana tinha o perfil espiritual de uma mulher que sabe edificar sua casa.
Vemos que era uma esposa exemplar, pois mesmo estéril, era muito amada por seu marido, segundo a tradição ela poderia ser devolvida a sua família se não desse filhos a seu esposo.
Era companheira, submissa e amava seu marido.

Uma das vezes em que subiu a Siló com seu marido para adorar e oferecer sacrifícios a Deus, entrou no templo e orou ao Senhor para que desse um filho no que foi atendida.
Essa mulher nos deixou um exemplo de como podemos alcançar vitória e edificar a nossa casa através da oração e de um coração contrito e derramado diante de Deus.

“levantou-se Ana, e com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente. E fez um voto, dizendo: Senhor dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, lhe deres um filho varão, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.”

“Demorando-se ela no orar perante o Senhor, passou Eli a observar-lhe o movimento dos lábios, porquanto Ana só no coração falava; seus lábios se moviam, porém não se lhe ouvia voz nenhuma, por isso Eli a teve por embriagada.” 1 Samuel 1:10-13.

1º Buscou diretamente a Deus. Não precisou de intermediários para se achegar á Deus como era o costume, com toda ousadia derramou diante dele toda sua tristeza e angústia, não se queixou nem questionou sua situação, mas apenas clamou por aquele por aquele podia fazer algo por ela.

2º Buscou com fé. Sua oração conforme o texto bíblico veio do mais profundo de seu coração, não se ouvia sua voz, era um momento de íntimo diálogo com Deus.
Naquela hora era como se somente eles dois existissem, ela não se preocupou com o que pudessem pensar dela, apenas em buscar aquilo que lhe traria paz ao seu coração, pois acreditava que Deus era poderoso para fazer muito mais do que o que ela estava pedindo, que aquele era o momento de decisão na sua vida.

3º Persistiu em buscar. “...Demorando-se ela no orar”. Ana entrou na presença de Deus disposta a sair com sua benção na mão, não parou de buscar até que foi atendida.
Embora atribulada e afligida continuou, mesmo sendo algo que parecia impossível aos homens, mas ela creu e isso foi sua vitória.

4º Oração atendida, é a do que tem quebrantado o coração, ao sair da presença de Deus , ela tinha tanta certeza que seria atendida sua atitude mudou, seu rosto se alegrou, comeu e voltou para sua casa em paz.

No devido tempo engravidou e deu a luz a Samuel, um dos maiores profetas da bíblia.

5º Gratidão. Ana glorificou ao Senhor, pois reconheceu aquilo que Ele tinha feito por ela, voltou ao templo para adorá-lo, e como tinha prometido, deixou ali o menino aos cuidados do sacerdote Eli para que servisse a Deus, pois disse “pelo que também o trago como devolvido ao Senhor, por todos os dias que viver, pois do Senhor o pedi”.

A mulher que edifica sua casa é aquela que conta com a misericórdia e a graça do Senhor todos os dias em sua vida; que transforma em alegria, vitória e testemunho de fé as suas dificuldades e não vive no lamento e murmuração se queixando que sua vida poderia ser melhor.

Eva deixou se levar pelos desejos de seu coração e permitiu que o prazer dessa vida a conduzisse para longe de seu criador e consequentemente, a queda da sua casa.

Entretanto, Ana mesmo parecendo ser menos favorecida acreditou que Deus a poderia tirar daquela posição de humilhação para um lugar de honra. Esse exemplo devemos levar e seguir para que a nossa casa seja edificada sobre a rocha.















Fonte: Jornal PIB



Colaboração:
Adelman Santos
Marketing Igreja Batista em Redonda
marketing@ibredonda.com.br









Índice :: Imprimir :: Enviar a um Amigo
 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.